Minha enteada se tornou minha amante

Olá Tenho 50 anos e sou viúvo. Há três anos conheci uma mulher de 40 anos, também viúva, com uma filha que era a cara dela. Desde o início nos demos bem e decidimos que tínhamos idade suficiente para perder nosso tempo e nos casamos. Ela se chamava Clara e sua filha Helena. A vida familiar era perfeita e o relacionamento com a menina não poderia ser melhor. Tivemos muita cumplicidade e ele me contou todas as suas dúvidas e questionamentos. A menina estava crescendo e seu corpo se desenvolvendo em um bom ritmo. Ela já tinha 18 anos e era uma mulher bem pequena. Eu não poderia estar mais feliz até a fatídica segunda-feira chegar. Minha esposa trabalhava em outra cidade e todos os dias ela pegava o carro e naquela segunda-feira sofreu um terrível acidente de trânsito.

 

 

Sexshop

 

Quando a polícia me disse que eu desmaiei, não podia ser verdade. Foi a segunda vez que fiquei viúvo. Eu chorei desesperadamente e então reconsiderei. Se foi um horror para mim, não queria nem imaginar como a Helena reagiria. Larguei meu emprego e fui para a escola da minha filha. Contei à professora o que havia acontecido, mas não para contar à menina, eu queria ser o único a dar a más notícia. Quando ela saiu da aula e me viu, rapidamente soube que algo ruim havia acontecido. Fomos até o carro e contei a ela tudo. Ela começou a chorar incontrolavelmente, gritando enquanto suas lágrimas inundavam suas bochechas. Eu a deixei chorar enquanto a abraçava. Aos poucos ela se acalmou, liguei o carro e fomos para casa. No caminho ela não parava de soluçar e eu

 

tentei animá-la e que ela tirasse forças de dentro. Eu disse a ela que sua mãe nunca voltaria e que não tínhamos escolha a não ser sermos fortes. Apesar da minha tentativa de animá-la, a boa lembrança de Clara passou pela minha cabeça e comecei a chorar, o que fez Helena fazer de novo. O carro era um mar de lágrimas. Chegamos em casa e nos acalmamos. Ao entrar, tudo nos fez lembrar dela e foi muito difícil, mas conseguimos superar a dor. Foram dias muito difíceis, entre a preparação para o enterro, a visita à família e amigos, a tensão que tive que passar com os irmãos da Clara que exigiram que a Helena fosse morar com um deles… a menina ficou dura e quis continuar comigo …

Depois de todos aqueles dias infernais, veio um pouco de calma. A Helena voltou para a escola, fui trabalhar e tudo parecia ter voltado ao normal. Semanas se passaram até que… uma noite, às três da manhã, um grito me acordou. Foi Helena quem teve um pesadelo. Fui ao quarto dela e a encontrei chorando e tremendo. Ela estava muito nervosa e me pediu para deixá-la dormir comigo. Eu disse a ela, que sim, claro. Ela se levantou e eu olhei para ela, ali,

 

indefesa e pela primeira vez notei seu corpo. Ela era a cópia da mãe, mas é claro, mais jovem. Ela estava de pijama de verão, short curto, bem colado ao corpo, que marcava todas as suas curvas, e uma regata com a imagem da Hello Kitty que destacava os seios já salientes. Essa visão eletrizou meu corpo e fez meu pau começar a acordar. Fomos para a minha cama e a Helena adormeceu quase de imediato agarrada ao meu peito. Foi mais difícil para mim, eu não conseguia parar de olhar para ela fantasiando sobre seu lindo corpo que me lembrava tanto de sua mãe. No final, não aguentei mais e adormeci.

Acordei pensando que tinham passado apenas alguns minutos, mas já era madrugada e descobri que a Helena já estava acordada e com a boca aberta olhava para o meu pau espetado que saía pela lateral da minha roupa. Tentei encobrir, mas a garota com uma expressão surpresa me perguntou o que era. Eu tive que dizer a ela que era o que nós homens tínhamos que urinar. Felizmente já tinha esvaziado um pouco e ela me perguntou se poderia dar uma olhada melhor e relutantemente eu mostrei, pus totalmente para fora. Tirei as calças e a primeira coisa que Helena fez foi estender a mão e tocá-lo. Com a mão no meu cacete, ele começou a ganhar vida e quando o viu crescer ela perguntou-me porque ficou assim.

Eu disse a ela que quando os meninos se excitavam eles cresciam para poder praticar o ato sexual, e como eu acho que eles tinham explicado para ela na escola, inserir o pênis na vagina da menina e assim fertilizá-la. Ela arregalou os olhos e me disse que algo tão grande em sua vagina deve doer e eu disse a ela que a vagina era elástica e permitia a penetração de paus assim e maiores, mas que ela ainda era muito jovem e teria que esperar um alguns anos para ter o corpo preparado. Ele me confessou que teve vários namorados que beijou, mas quando lhe pediram algo mais, ele se assustou e os abandonou. Eu disse a ela que ela tinha agido muito bem e que os meninos só procuravam isso de uma menina e quando conseguiam procuravam outra e que fazer sexo também poderia levar a doenças desagradáveis ??ou engravidar e ambas as coisas eram muito graves quando você estava tão jovem. Ela me encarou e disse.

-Papai, o que posso fazer se um menino me pedir mais?

-Você vê, o que os meninos estão procurando é o orgasmo…

Helena me interrompeu – e o que é isso?

Você vai ver filha, quando você está com outra pessoa e você começa a beijá-la, tocá-la, você fica excitada, tanto, tanto, que você dá um choque no corpo todo e chega ao orgasmo, uma sensação muito gostosa . O orgasmo pode ser alcançado tocando-se ou pelo contato com outra pessoa.

Posso chegar ao orgasmo sozinha?

-Sim filha, você pode tocar os pontos mais sensíveis do seu corpo. Comece com os peitos, os mamilos. É uma zona muito agradável, mas a zona mais sensível é a vagina e sobretudo, bem na entrada. Quando você toma banho e passa sabonete entre as pernas, não notou uma sensação diferente?

-Sim pai, mas eu não sabia o que era. Uma vez eu coloquei um dedo nele e essa sensação aumentou, mas fiquei com medo e parei.
Pode parecer mentira, sei que hoje em dia é comum meninas de seus 15,16, 17 anos serem expert no assunto sexo, mas a minha Helena fora criada em um regime diferente, viveu pra estudar e se formar, aquele universo era mesmo novo para ela…

-Bem, se você tivesse continuado massageando esse ponto chamado clitóris, você teria atingido um orgasmo. Isso também poderia ser facilitado por um menino se ele o estimulasse com os dedos ou com a língua. E uma garota também pode obtê-lo estimulando um pênis com as mãos ou com a boca. Helena expressou cara de surpresa.

– Como com a boca?

-A boca pode fazer um trabalho muito bom. Você quer ver como?

-Sim – me ensine como fazer, por favor!!!

Eu peguei meu pau e me masturbei -quando você se toca isso se chama masturbação -eu disse a ela- agora você faz a mesma coisa que me viu fazer.

Totalmente se jeito, pegou meu pau gentilmente e começou a levantar e abaixar a mão como eu havia ensinado a ela. O calor de seu corpo perfurou a pele do meu pênis e me deu um calafrio.

-Agora aproxime seus lábios e de um beijo.

A menina fez isso e eu expliquei a ela todos os passos que ela tinha que fazer. Eu puxei meu prepúcio e mostrei a ela a glande. Meu pau já tinha um tamanho considerável.

-Você vê, filha, essa área que parece um cogumelo. Chama-se glande e é a parte mais sensível do pênis. Passe a língua ao longo do lado. Babando no pênis e compartilhando as babas. Agora chupe como um picolé, enfiando o máximo que puder na boca. Empurre para dentro e para fora enquanto enrola a língua ao redor dele. Você percebe que está latejando? -Helena assentiu sem tirar o pau da boca- continue chupando e agora com uma mão pegue meu pau, e faça o movimento de masturbação, e com a outra toque suavemente minhas bolas, e tudo isso sem parar de chupar.

A menina estava tão focada no trabalho que estava realizando, que apresentava olhar de surpresa ao ver o resultado. Disse a ela então que quando um cara atinge o orgasmo, um líquido branco pegajoso chamado sêmen sai da ponta de seu pênis. -quando eu estiver prestes a gozar eu vou te dizer para você não ser pega de surpresa, mas não pare de fazer o que você está fazendo, quando você notar o sêmen em sua boca apenas deixe escorrer pelos seus lábios…

Percebi que estava pronto e no momento preciso avisei minha enteada sob suspiros e ela reagiu tarde e encheu a boca com meu leite. A garota cuspiu a maior parte, mas deixou um pouco para saborear.

“Tem um gosto estranho, diferente…

-Como você viu, filha, eu tive um orgasmo e você também pode ter algo parecido com a minha boca se me deixar tentar.

Ela estava tão ansiosa para saber como poderia ser que ela me disse que queria sentir também. Eu disse para ela se despir e quando ela tirou o pijama e eu olhei para seu corpo todas as minhas fantasias se tornaram realidade. Ela tinha tetas perfeitas com mamilos muito escuros e uma linda bucetinha lisinha. Corri minhas mãos sobre seus seios e expliquei que era para começar a excitá-la. Eu os tinha macio e duro.

Corri meus dedos sobre ambos os mamilos e comecei a senti-los endurecer. Não resisti e chupei um deles. Helena começou a gemer. Sussurrei em seu ouvido que com a mão ela começasse a tocar seu sexo em busca do clitóris. Ela fez isso e eu notei como seu corpo estremeceu, dando fortes espasmos. Meus lábios procuraram os dela e enquanto eu acariciava seus seios eu a beijei. Sua língua encontrou a minha e nos derretemos em um beijo tórrido. Ela atingiu o orgasmo em poucos minutos e ofegou de exaustão. Descansamos um pouco e comecei de novo. Mais beijos nos lábios, no pescoço, no peito, na barriga até chegar a sua bucetinha. Primeiro eu beijei o interior de suas coxas fazendo-a tremer e então minha língua foi para sua boceta. Dei-lhe uma lambida que encheu a fenda de baba e inseri minha língua alguns centímetros. Helena deu um sobressalto e segurando minha cabeça pelo pescoço aproximou meu rosto, de sua buceta. Eu chupei e lambi e massageei seu clitóris até que a garota arqueou e deu um grito alto de prazer.

Ela estava tremendo e suando, mas com uma expressão satisfeita que fazia seus olhos brilharem e ela soltava um sorriso de orelha a orelha. Descansamos um pouco e comecei de novo. Mais beijos nos lábios, no pescoço, no peito, na barriga até chegar ao sexo. E assim repeti por mais algumas deliciosas vezes.
Pai, tem sido maravilhoso. Temos que repetir isso e não se preocupe, eu também farei a minha parte e te darei os melhores orgasmos. E quando estiver pronto você pode colocar em mim.

Ela estava tão animada que as palavras saíram de sua boca. Tentei acalmá-la, mas ela ainda estava com muito tesão. Eu disse a ela para tomar um banho e eu faria o café da manhã. Eu também estava muito feliz, todas as minhas expectativas foram atendidas e agora eu tinha um futuro fantástico pela frente. Ela veio para o café da manhã com o roupão meio aberto mostrando seus peitinhos e sua silhueta fantástica. Enquanto tomávamos o café da manhã, disse-lhe para não contar a ninguém o que tínhamos feito. Que seja nosso segredo. Ela se aproximou e me deu um beijo na boca me disse para ficar tranquilo, tudo ficaria entre a menina e o papai. Ela sentou no meu colo e nos beijamos. Coloquei minhas mãos sob o roupão e comecei a explorar cada canto de seu corpo. Meu pau ganhou vida e ela o puxou para fora do meu short e esfregou contra sua pequena fenda. Ela montou no meu pau sem penetrar até que eu gozei. Pouco a pouco notei como se esvaziava. Eu não sabia se iria corresponder aos desejos sexuais de minha, mas estava disposto tentar… e quando fosse um pouco mais velho, enfiasse nela…

Isso confesso, para minha total felicidade não demorou a acontecer.

Inclusive tem o vídeo gravado, toda a ação de um pai e uma filha, que decidiu assumir de vez o papel da mãe.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.