Sexo na rua com mendigo

Olá pessoal, como vão todos vocês? Estou aqui mais uma vez pra revelar mais um conto pra você mas esse é um daqueles que vai dar o que falar! Como alguns aqui já me conhecem me chamo Bia, moreninha, baixinha e 18 anos. Meus pais se chamam Glauco e Rita, não vou entrar em detalhes por que muitos já me conhecem e e nossa descrição está por aí em outros relatos.
O conto que trago hoje para você se passou há uns 3 anos atrás e dessa vez não vai ter aprovação do meu pai porque ele nem sabe que vou publicar e nem sei se tem como excluir depois, mas que se foda…..rsrsr
Nessa época eu já era bem putinha e já participava de alguns bacanais com meus pais e amigos, mas nesse dia a gente saiu pra algo diferente. Sempre propomos desafios com relação ao sexo e a cada 15 dias acaba sobrando pra alguém cumprir uma tarefa com relação a sexo e na semana passada meu papai teve que uma travesti que encontramos em um site, muito linda e espero que um dia ele narre aqui pra vocês!
Mas vamos ao que interessa, esta era a minha quinzena e já estava curiosa com o que eles tinham em mente. Era um fim de semana de noite e estávamos voltando de um show num bairro próximo de casa e já era madrugada, mas apesar disso ainda havia muita gente na rua vindo de festas. Meus pais não falavam nada e durante todo o caminho indo pra casa eles estavam calados só observando a rua, fiquei curiosa é claro!
– Papai, não sei se você se lembra mas essa era não era minha ver de pagar o desafio?
– Claro filinha! É justamente isso que estamos procurando, um desafio para você!
Depois de alguns minutos papai deu uma leve freada e fez o retorno em uma rua e voltou pro local onde ele tinha reparado.
– O que foi que houve papai?
– Acho que já encontrei seu desafio filinha linda!
Olhei para fora do carro mas não conseguia ver uma alma viva na rua, ele foi parar o carro justo onde não tinha ninguém!
– Olha bem pra fora que você vai ver filha!
Fiquei olhando, olhando e finalmente só via um carinho tipo de carroceiro parado em um canto com um monte de bagunça ao lado e mais nada. Fomos andando com o carro chegando mais próximo e eu pude ver que realmente no meios daquela bagunça toda entre papelão e panos velhos havia um homem dormindo ali.
– Há papai, você só pode tá de sacanagem! Tá querendo que eu foda com um mendigo?
Papai sem pestanejar respondeu:
– É seu desafio, tem coragem ou não?
Nisso mamãe só ria o tempo todo no banco.
– Nem olho pra mim Bia! Isso é idéia do teu pai e isso não vem de hoje!
Como em todas outras que indiquei o desafio eles toparam de boa eu não pude negar e topei pra ver no que dava. Fomos dirigindo mais pra perto e ver como poderíamos abordar o rapaz e ver como poderíamos abordar sem assustar o coitado com tamanha cara de pau. O lugar que ele dormia parecia ser um bar fechado mas abandonado porque as portas eram velhas e ele já tinha muita tralha junta para estar ali por pouco tempo. Não se via muitas residências próximas, só comércios, e papai estacionou o carro de modo que cobriria todo o local onde ele ficava e desceu pra falar com ele enquanto eu e mamãe ficamos no carro observando. Papai voltou fazendo sinal de positivo com as mão depois de uns 10 minutos conversando com o rapaz e me disse que pegasse o saco plástico com alguns salgadinhos e bolos que trouxemos da festa e que também tirasse a calcinha. Eu estava com um vestido tomara que caia de malha bem curto só de calcinha mesmo por baixo. Cheguei muda perto do rapaz e só meu pai falava com ele o tempo todo.
– Então amigo, trouxe pra você algo para comer.
Papai me vira e fala no meu ouvido:
– Se abaixa de frente pra ele e dá o saco!
Fiz o que ele mandou e o moço boquiaberto fica espantado com minha presença, ele abre o saco sem tirar os olhos das minhas pernas e papai volta a falar no meu ouvido:
– Agora filinha, abra as pernas e deixe ele ver sua bucetinha!
Olhei para mamãe que só observava e fiz o que papai mandou, abri minhas pernas e deixei a mostra minha xaninha peladinha pra ele ficar olhando. O homem ficou estático e não sabia se comia os salgados ou se ficava saboreando com os olhos minha bucetinha.
– E então está gostando mais do que está comendo ou do que está vendo?
Disse o papai para o mendigo, mas ele não respondia nada e parecia não acreditar no que estava acontecendo ali com ele. Então papai me levantou e me abraçou por trás, ficou alisando minha xaninha com uma das mão enquanto conversava com o mendigo.
– Amigo, depois que você comer direitinho aí seu bolo e seu salgado você vai comer a bucetinha mais apertadinha da sua vida! Você quer ou não?
Lógico que o homem não iria se recusar mas mesmo assim timidamente ele balançou a cabeça e ficou só olhando papai bolinando minha bucetinha enquanto comia seu salgado. Eu comecei a gostar daquela brincadeira mas só uma coisa me incomodava, o cheiro dele e do local eram horríveis! Sempre que me distraía eu passava apensar no cheiro dele e de todo aquele pano sujo mas como já estava com a buceta toda melada eu já quase não ligava pra isso. O mendigo então como um animal traçou todo o salgado e o bolo de uma só vez, ficou com sua barba e bigode completamente sujos com o glacê de bolo e aquilo era uma cena nojenta.
– Agora meu camarada você vai chupar a bucetinha mais gostosa da sua vida!
Assim que papai terminou de falar com ele eu fui virada de costas e fui empurrada em direção ao mendigo que nem ao menos limpou a boca e já veio mordendo minha bunda e tentando chupar meu cuzinho. Não vou mentir que sentir aquela barba em minha bunda foi muito gostoso mas eu sentia ele me lambuzar toda com aquele glacê e seu bafo de gambá.
O homem apertava minha bunda com suas mãos sujas, alisava minhas pernas e até tentava enfiar um dos dedos no meu cuzinho. Ele estava sentado encostado na parece eu eu em pé de costas para ele e foi então que papai pediu ao homem para por o pau pra fora mas ele não conseguia desamarrar o cadarço da calça porque ele não queria tirar a boca da minha buceta. Acabou sobrando pra mim a tarefa, fui lá tentar desfazer o nó e o homem estava só de calça sem cueca e foi quando consegui abrir sua calça e tirar um pau de uns 18cm pouco grosso. Não dava pra muita coisa devido a escuridão mas o pouco que enxergava da pra ver que era um pau bonito, o único problema com o pau dele é que fedia demais!
Fiquei punhetando seu pau e sentindo aquela catinga por alguns minutos até que papai chegou mais perto pra falar com o moço:
– E aí camada, vamos por a piroca dentro dessa bucetinha?
O cara achava que ele iria ficar somente me chupando e quando papai disse que ele poderia me comer o moço ficou doido! O problema é que não poderíamos fazer ali em pé e então o mendigo apontou pra uns pedaços de papelão e panos que haviam atrás da carroça, me parecia o local onde ele dormia e não parecia com uma cara boa!
– Mas papai, não tem como fazer nada ali, está tudo sujo, fedido e eu não vou aguentar!
– Mas filha você tem que cumprir com o combinado, vai ou não vai?
Pra não desapontar meu pai eu acabei cedendo e me deitei num papelão de ladinho e o moço veio por trás já querendo por sua piroca em mim, seu desejo era tanto que a cabeça do seu pau acabou entrando mas tratei de tirar. Com toda aquela saliva e glacê minha bucetinha ficou toda lambuzada e aproveitei pra ficar esfregando o pau dele em minha bucetinha, eu segurava seu pau com força e só deixava ele ficar esfregando em meu clitóris. Como estávamos cobertos por papelão e trapos como se fosse um barraquinho, papai e mamãe não conseguiam ver muita coisa mas eu podia sentir cada centímetro daquela piroca grossa deslizando em meu grelo. Ele a todo momento tentava me penetrar pegando em minha cintura com força pra comandar os movimentos com pequenas pinceladas na entrada da minha bucetinha e de vez em quando ele acertava meu cuzinho melado. Ficamos assim por um bom tempo e pedi ao papai pra trazer mais glacê que havia no saco pra esfregar na buceta. Uma de minhas mãos segurava minha cabeça e a outra segurava seu pau, assim que papai chegou eu tive que soltar seu pau pra pegar o glacê e foi quando o mendigo me penetrou com tudo na bucetinha.
Nesse momento eu delirava de tanto gozar mas mesmo depois de umas 2 ou 3 socadas eu tirei seu pau pra lambuza-lo mais ainda e continuar na sua punheta que foi terminada com um longo gemido do moço, ele tinha acabado de gozar e jogou tido em cima da minha chaninha. Depois de já ter soltado todo seu leite ele passou a bater com seu pau em minha bucetinha para deixa-lo duro novamente. Papai e mamãe nem tinham noção do que acontecia ali em baixo de todo aquele papel e ficamos grudados alguns minutos com seu pau entre minhas pernas e fui sentindo aos poucos ele ficar duro novamente. Pedi ao papai pra pegar uma camisinha no carro.
– Papai, ainda não tem uma camisinha no carro?
– Tem sim filha, é a última então aproveita bem ela!
Nisso o safado do mendigo novamente botou o pau todo melado de leite dentro da minha xaninha e ficou socando com força e aquilo estava muito gostoso! Quando papai chegou com a camisinha eu tirei seu pau e a coloquei, a camisinha ficou bem apertada no seu pau e tratei de espalhar um pouquinho de glacê no pau e botei pra dentro da minha chaninha novamente.
O mendigo safado socava seu pau com vontade e me fazia gozar igual a uma louca, metemos por um bom tempo e então a camisinha acabou estourando. Eu percebi o que tinha acontecido mas ele parecia que nem se importava mas eu tirei novamente seu pau de dentro e o mendigo puxou o meu cabelo com toda sua força contra o rosto dele e falou bem baixinho.
– Sua filha da puta! Pode ir colocando a porra do pau lá dentro agora!
Eu fiquei assustada com aquele tom de voz dele e acabei cedendo as suas ordens e mal acabei de apontar o pau na entrada da buceta o filho da puta veio socando de uma vez só. Ele metia rápido já procurando seu próximo gozo e não demorou muito pra acontecer e o safado encheu minha xaninha com seu leite e não parou de socar. Eu alisava minha xana e aquilo tudo estava fazendo uma espécie de creme ou espuma que estava dando nojo. O mendigo não parava de socar e em dado momento ele passou a enfiar 2, 3 e até 4 dedos em meu cuzinho com muita força e dado momento ele passou a atuar com certa brutalidade.
Depois de várias socadas na minha xana ele passou e pincelar o pau na entrada do meu cuzinho e e empurrar com força até sentir a cabeça do pau me rasgando. Não demorou muito ele ja estava socando com mais força do que na buceta e ele veio me encher de leite novamente. Ainda com seu pai atolado em meu rabinho ele ficou mais meia hora metendo na minha bundinha e jogar seu leite em meu cuzinho. O mendigo não parava mais de meter e com o pau todo melado voltou a penetrar na minha xaninha e eu estava ali toda amordaçada por ele sem saber o que fazer com seu pau já pra gozar novamente e papai aparece pedindo pra acabar logo com a brincadeira porque já estava amanhecendo. Assim que ele ouviu o pedido de papai o safado acelerou o ritmo e gozou novamente.
Me levantei daquele monte de lixo e pude perceber o estado que com toda aquela sessão de porra e pau, me sentia toda suja e não sentia minhas pernas.
Fui ajudada por papai a entrar no carro e até hoje nem ele nem mamãe sabem dessa parte da história.
Espero que tenham gostado desse conto meus queridos amigos! Podem esperar que mais pra frente tem outros!!!
BEIJOS!!!

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.