Menage com garota de programa

Apenas para deixar claro, as aventuras nas festa swing e as com “V” ocorreram em períodos diferentes.
Hoje vou contar outra história com “V”.
Passamos a frequentar casa noturnas, de garotas de programa. “V” começou a curtir, cada vez mais, as meninas. Íamos e ela beijava as meninas, brincava as veses rolava uma masturbação mútua entre ela e uma das meninas.
Um dia “V” me chamou e pediu para levarmos uma delas, para um motel. Gostaria de mais liberdade. Claro que topei e, é claro que ela escolheu a menina.

 

 

Sexshop

Continuamos a beber, mais um pouco, com a menina. Por fim, pagamos a casa e saímos para o Motel.
No táxi, as duas já estavam se beijando, loucamente. Muito tesão envolvido. “V”, como sempre, já estava sem calcinha.
O taxista estava adorando. Dirigia, bem devagar. Eu sorria. A menina, em determinado momento, tirou a mão da bocetinha, de “V”, e colocou seus dedos, em minha boca. Eu já conhecia o gosto e adorei.
Chegamos, ao motel, paguei o táxi e entramos. O taxista ficou desapontado. Acho que pensou que seria convidado.
No elevador, as duas já começaram a tirar a roupa. Estavam enlouquecidas. Entramos na suíte. Elas, quase nuas, e eu pegando as roupas que tiravam.

 

Lá dentro, tirei as minhas roupas e me sentei em uma poltrona. Assisti aquele show de duas mulheres tesudas se agarrando.
Levantei e fui tomar uma ducha. Estava me ensaboando e senti que ambas entraram, no banheiro. Ficaram na porta, me plhando. Virei e mostrei que estava de pau duro. “V” sorriu e veia até mim. Se ajoelhou e começou a me chupar. A menina se aproximou e começou a me beijar. Passava as mãos pelo meu corpo, inteiro. Se ajoelhou, ao lado de “V” e também me chupou. Estava adorando e acraiciava a cabeça das duas.
Elas se levantaram e foram para a ducha. Se ensaboaram. A menina masturbava “V”, com força. “V” gozou, gemendo alto.

 

Nos enxugamos e fomos para a cama.
A menina se deitou, de pernas abertas, e “V” começou a chupá-la, ficando de quatro. Por trás, eu comecei a chupá-la. “V” reclamou que, assim, não conseguia se concentrar. Dei uma parada, pois “V” desejava saborear a boceta de nossa menina.
Sentei, na poltrona, novamente.
“V” chupava e enfiava os dedos, na boceta da menina. Ela gemia, bem gostoso. Seu corpo tremeu, por instantes, e seu gemido foi mais alto. “V” chupou, mias forte. A menina segurava sua cabeça, contra a boceta, gritando que queria mais. Percebi a sede, de “V”, naquela boceta. Quando a menina relaxou, “V” parou e se virou, para mim, com um sorriso sacana. Apontou para a bocetinha, da menina, que estava toda molhada e disse: “Vem!”.
Coloquei a camisinha e fui. “V” queria olhar de perto. Fui enfiando, aos poucos. “V” curtia, cada movimento e acariciava os seios da menina.

 

Quando entrei, todo, a menina deu um suspiro. “V” começou a beijá-la e chupar seus seios. Fiquei fodendo a menina. Que maravilha. Foder uma boceta, deliciosa, e ver minha namorada beijando seus seios. Tirei, para não gozar, e comecei a chupar a boceta, da menina.
Decidi me deitar. “V” tirou minha camisinha e sentou no meu pau. Começou uma cavalgada, intensa.
A menina me beijou e depois sentou, sobre meu rosto. Uma boceta na boca e uma na pica. Sensação indescritível.
“V” gemia, sem parar. A menina saiu de meu rosto e foi para trás de “V”. Começou a beijá-la, na nuca. “V” parou de se mexer e inclinou-se, para a frente. Percebi que a menina estava enfiando os dedos, no cuzinho de “V”. Os movimentos eram, agora, mais cadenciados. “V” gemia e eu sentia seu gozo escorrendo na minha pica. A menina falou: “Que cuzinho guloso, já estou com três dedos, dentro dele.”. Nessa hora “V” gozou, novamente, e caiu para o lado. Estava ofegante.

 

A menina sorria, satisfeita de fazer “V” gozar, outra vez. Olhou para mim e disse: “Tadinho! Está segurando o gozo! Vou te ajudar!”. Começou um boquete, incrível. “V”, ao lado, estava fraca e, apenas, sorria. A boca da menina chupava, cada vez mais forte. Falei que iria gozar. Ela não parou de chupar. Gozei forte.
Ela deixou meu gozo, em sua boca. Foi até “V” e beijou-a. Dividindo a minha porra.
“V” se aninhou, em meu corpo. Os orgasmos tinham sido intensos. A menina foi tomar um banho. Fiquei, na cama, com “V”.

Quando a menina voltou, me levantei e fui até ela, para poder pagar. Ela agradeceu e saiu.
Voltei, para a cama, e “V” estava de bruços. Abri seu cuzinho e comecei a lamber, deixando bem lubrificado. “V” gemia. Fui enfiando, no seu cuzinho. Ela gemia e pedia que eu enfiasse, forte. Comecei a socar forte. Ela gritava, de tesao. Acabamos gozando, juntos.
Dormimos encaixados.
No dia seguinte, ao acordar, mostrei para “V”, que a menina tinha deixado o telefone e dito que, se quisessemos mais uma vez, ela estaria disponível.
“V” sorriu e disse: “Figurinha repetida não completa álbum!”.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.